Em Toledo (PR), tramitação urgente prevê proibição de testes da ANP antes do recesso

 

População mobilizada quer que vereadores proíbam testes para aquisição sísmica no município para evitar a contaminação provocada pela extração do gás de xisto

 

whatsapp-image-2016-12-12-at-14-56-53

 

Com a galeria repleta de moradores e lideranças dos movimentos sociais, os vereadores de Toledo, no Oeste do Paraná, debateram na tarde desta segunda-feira, 12, a Mensagem do Executivo 125/2016 que proíbe o fraturamento hidráulico (Fracking) na cidade, inclusive os testes para aquisição sísmica que a ANP realiza na região. O objetivo é votar a matéria antes do recesso parlamentar, visando garantir que não haverá operações de Fracking, seja para pesquisa, seja para comercialização.

A proposta de Projeto de Lei, concebida pela COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida -–e 350.org Brasil, foi apresentada ao Prefeito Beto Lunitti na semana passada, que imediatamente encaminhou para a Câmara para tramitação urgente em conjunto com o presidente Ademar Dorfschmidt.

whatsapp-image-2016-12-12-at-15-03-44

“O Brasil só está de pé por causa do agronegócio. Toledo produziu mais de 2 bilhões de reais em produtos. E agora querem fazer o Fracking, prejudicando a produção de alimentos”, argumento Walmor Francisco Lodi, que defendeu a urgência da proibição. Segundo o parlamentar, o Brasil tem outras alternativas como a solar, a eólica, a biomassa e não precisa transformar o solo do Brasil ‘num queijo suíço’.

Mesmo sendo uma das primeiras cidades brasileiras a aprovar uma Lei municipal para proibir operações de Fracking, ainda em 2013, Toledo se vê agora diante de uma nova ameaça. A presença dos caminhões vibradores contratados pela Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) para aquisição sísmica na região Oeste assustou a população e reacendeu o temor de que os riscos do fraturamento hidráulico coloquem em perigo a produção agrícola, de suínos e aves para corte, as reservas de água e a saúde das famílias.

O vice-prefeito eleito de Toledo, vereador Tita Furlan, enfatizou que o Fracking é uma estupidez, total desnecessidade dessa indústria vir para Toledo e não é viável economicamente. “Temos que aprovar a Lei o mais rápido possível pela precaução e proteção do meio ambiente”, garantiu. Outros vereadores também usaram a tribuna para se manifestar a favor da urgência da aprovação da proibição definitiva do Fracking.

Segundo a vereadora Sueli Guerra, a Comissão Especial para apreciar o PL foi instalada e já a designou para a presidência, tendo Vagner Delabio como relator. “Neste terça-feira vamos apresentar o relatório e realizar sessões extraordinárias para votação do PL na quinta e sexta-feira, às 9 horas, prazos determinados pelo nosso Regimento Interno”, informou.

 

Campanha Não Fracking Brasil

“Mais uma vez, Toledo será precursora na defesa da vida, da água e das famílias ao dizer um sonoro não para o Fracking e para aqueles que querem destruir o meio ambiente”, afirmou Reginaldo Urbano Argentino, coordenador de Desinvestimento da 350.org, membro da COESUS e presidente da Cáritas Paraná, entidade parceira na campanha Não Fracking Brasil.

whatsapp-image-2016-12-12-at-18-00-47
Reginaldo Urbano Argentino, com Lucrécia Welter (à esquerda), Ana Welter e Tika Zillmer.

Reginaldo usou tempo na Tribuna Livre para defender a proibição definitiva, ressaltando os impactos que os testes sísmicos provocam no meio ambiente. “Mas o pior é que os resultados destes testes abrem precedente perigoso para a realização de leilões, depois a perfuração de poços e no fim a contaminação. Será o fim do nosso Paraná”.

A nova legislação irá ampliar a atual, proibindo a emissão de alvará para empresas de Fracking, o tráfego de caminhões com produtos químicos usados para o Fracking, a queima de gases decorrentes da extração e, por fim, os testes sísmicos.

A engenheira agrônoma e produtora rural, Tika Zillmer, também usou a tribuna para defender a proibição dos testes e da tecnologia em si: “Somos uma região de pequenas e médias propriedades rurais, com excelente produtividade, que seriam drasticamente impactadas pelo Fracking, que traz severos riscos ao meio ambiente e à saúde humana e animal. Sem contar que os valores gerados em nossa região pela produção agropecuária e pelo agronegócio nos colocam em patamares altamente favoráveis, não se fazendo necessária essa exploração em nossa cidade”, assegurou, ela que é voluntária da campanha Não Fracking Brasil.

 

Vereadores de Toledo: Airton de Paula (acima à esquerda), Luiz Fritzen, Luiz Johan, Walmor Lodi, Ademar Dorfschimidt, Vagner Delabio e Marcos Zanetti. Embaixo à esquerda, Rogério Massing, Odair Macari, Renato Reimann, Tika Zillmer da COESUS, Neudi Mosconi, Lucio de Marchi, Tita Furlan, Genivaldo Pães, Reginaldo Urbano Argentino da 350.org Brasil e Sueli Guerra.
Vereadores de Toledo: Airton de Paula (acima à esquerda), Luiz Fritzen, Luiz Johan, Walmor Lodi, Ademar Dorfschimidt, Vagner Delabio e Marcos Zanetti. Embaixo à esquerda, Rogério Massing, Odair Macari, Renato Reimann, Tika Zillmer da COESUS, Neudi Mosconi, Lucio de Marchi, Tita Furlan, Genivaldo Pães, Reginaldo Urbano Argentino da 350.org Brasil e Sueli Guerra.

 

 

 

Por Silvia Calciolari

Fotos: COESUS/350Brasil

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Enquire here

Give us a call or fill in the form below and we'll contact you. We endeavor to answer all inquiries within 24 hours on business days.
[contact-form-7 id="5208"]