Absurdo: CONAMA pode autorizar queima de óleo no mar em caso de derramamento

 

Além dessa proposta que impacta a vida marinha e aumenta as emissões, o Conselho Nacional de Meio Ambiente pode também permitir a produção e o uso de composto de resíduos sólidos

 

O Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) deve votar na próxima reunião programa da 21 de junho a proposta de Resolução do Ministério do Minas e Energia (MME) que dispõe sobre o uso de ‘queima controlada’ em incidente de poluição por óleo no mar. A medida impactará severamente a vida marinha e aumentará as emissões dos gases de efeito estufa que contribuem para as mudanças climáticas. Outro perigo é o fogo chegar à costa junto com o óleo, uma vez não haver garantias de controle dos ventos ou correntes marinhas.

“Se aprovada, essa resolução representa um cheque em branco para a empresas poluidoras que com certeza vão preferir queimar a instalar as barreiras de contenção e recolhimento do óleo”, afirmou Juliano Bueno de Araujo, coordenador de Campanhas Climáticas da 350.org e um dos fundadores da COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida.

Presidido pelo Ministro do Meio Ambiente (MMA), José Sarney Filho, o CONAMA chegou a estruturar um grupo de trabalho que não priorizou a discussão, deixando de ouvir as entidades ambientais, especialistas e mesmos outros representantes dos movimentos sociais com assento no colegiado.

 

 

“Estamos alertando a população que precisa saber e se posicionar contra essa resolução, que apenas atende interesses da indústria dos combustíveis fósseis e faculta qualquer outra medida de reparação em caso de acidentes no mar”, completou Juliano. Entidades como a 350.org Brasil, Fundação Internacional Arayara, COESUS e o Fórum Ambientalista estão se posicionando veemente contra a resolução.

“Vamos articular uma frente de entidades para pressionar o ministro Sarney para suspender a tramitação dessa resolução, que afronta os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e as obrigações assumidas em todos os Acordos Internacionais ratificados pelo Brasil”.

A outra proposta de resolução em tramitação no CONAMA que preocupa as entidades é a que define critérios e procedimentos para a produção de composto proveniente de resíduos sólidos orgânicos, em grande parte vindo do esgoto doméstico.

Da mesma forma, se for aprovada há o risco da efetiva contaminação química com substâncias cumulativas e persistentes, resultando no agravamento da poluição dos solos, águas subterrâneas, rios, nascentes, lagos, afetando a biodiversidade e as populações humanas.

“São questões que prescindem um debate técnico, representativo e transparente para a proteção do meio ambiente. Para isso existe o CONAMA e vamos fazer cumprir essa missão”, finaliza Juliano.

 

 

Por Silvia Calciolari

Foto: Coast Guard Photo/Petty Officer First Class John Masson

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Enquire here

Give us a call or fill in the form below and we'll contact you. We endeavor to answer all inquiries within 24 hours on business days.
[contact-form-7 id="5208"]